[Entrevista] Pastor Marco Feliciano critica parte da bancada evangélica, repudia proposta pró-aborto do PT e afirma: “Poderemos eleger um presidente evangélico”

09/10/2012 16:54

[Entrevista] Pastor Marco Feliciano critica parte da bancada evangélica, repudia proposta pró-aborto do PT e afirma: “Poderemos eleger um presidente evangélico”

Assumidamente conservador como parlamentar, o pastor Marco Feliciano (PSC-SP) falou sobre a participação da igreja na política e suas pretensões enquanto deputado-federal numa entrevista concedida à revista Exibir Gospel.

Feliciano, que anteriormente era contrário ao envolvimento da igreja com a política, explicou que se candidatou “para desfazer um erro” cometido por ele, quando pregava contra a participação de cristãos nessa área: “Vi nascer a PLC 122, que é a Lei da Homofobia, um absurdo que até hoje apavora os pastores e padres do Brasil. Faltaram homens determinados a bloquear estas ameaças e me senti culpado por isso. Então, como nunca é tarde pra se arrepender de algo errado, eu resolvi me candidatar e provar a todos que é possível ser um político e continuar comprometido com a retidão e cheio do Espírito Santo”, relatou.

Dentro de sua ambição política, o pastor afirmou que tem como meta “reconquistar o respeito e a credibilidade do parlamento brasileiro e implantar, pela fé e com muito trabalho, o governo do justo na nossa nação tupiniquim”. O parlamentar e líder religioso acredita que a força do eleitorado evangélico poderá levar um político cristão ao cargo mais alto da República: “Poderemos num futuro próximo eleger um presidente evangélico”, afirma.

O motivador de sua candidatura e maior alvo de combate, o projeto de lei que criminaliza a homofobia é em seu ponto de vista, uma forma de censura dissimulada: “O PLC 122 é um engodo e dentro dele existe um sem número de ataques diretos ao direito de expressão, de liberdade religiosa e à fé cristã”, e cita a maior de suas preocupações sobre o assunto: “Um dos artigos da Lei da Homofobia diz que qualquer publicação tida como preconceituosa à prática homoafetiva deve ser censurada. Bom, o que faremos com a Bíblia?”, questiona o pastor.

Marco Feliciano acredita que se os parlamentares da Frente Evangélica se comprometessem de fato com a luta contra o PLC 122, provavelmente a questão estaria encerrada: “Se todos os membros da bancada focassem apenas no combate aos males que atingem a família, acredito que seríamos imbatíveis. Mas infelizmente existem outros interesses políticos e há ainda aqueles que usam a plataforma evangélica apenas para serem eleitos e depois nem votam conosco”, critica.

Dentre “os males” citados por Feliciano, está a questão da legalização do aborto. O deputado bate forte no partido da presidente Dilma Rousseff, do qual seu partido é aliado, em relação a esse assunto: “Isso[legalização do aborto] vem do Partido dos Trabalhadores (PT), o partido que governa esse país há tantos anos. Basta entrar no site do PT para conferir. Qualquer um pode entrar ali e confirmar que no plano de governo deles a descriminalização do aborto é apresentada como meta a ser alcançada! E isso é defendido sob a mentira de que o aborto é uma questão de saúde pública. Querem nos transformar em infanticidas!”.